Abriu o concurso de apoio à Edição Fonográfica de Intérprete

A primeira fase de candidaturas ao concurso de apoio à Edição Fonográfica de Intérprete da Fundação GDA iniciou-se esta segunda-feira, dia 11, e decorrerá até dia 29 de março. Para este ano, a Fundação GDA prevê um investimento de € 300.000 neste programa, a dividir em partes iguais pelas duas fases do concurso.

O início da primeira fase de candidaturas ao concurso de apoio de projetos de edição fonográfica de intérprete, realiza-se entre 11 e 29 de março. Este programa da Fundação GDA tem como intuito dinamizar o mercado editorial da música portuguesa, a diversidade das expressões musicais e o acesso e usufruto dos cidadãos à criatividade musical.

Em 2019, este programa tem como montante total de apoios a distribuir nas suas duas fases um valor de € 300.000 (trezentos mil euros), com patamares financeiros de apoio para as candidaturas vencedoras de € 3.500 para projetos que envolvam até três músicos e € 5.500 para projetos que envolvam mais de três músicos.

No que diz respeito aos seus objetivos específicos, serão consideradas prioritárias as despesas diretamente relacionadas com prestação do trabalho dos artistas intérpretes, tais como cachetsde músicos e custos relacionados com a gravação e a produção.

As candidaturas apoiadas no âmbito deste programa terão obrigatoriamente de concluir a produção integral (gravação, mistura, masterização, capa e inlay) do fonograma no prazo máximo de 18 meses a contar da data da notificação sobre a atribuição do apoio, ou seja, até 29 de novembro de 2020.

Aos interessados, recomendam-se as leituras do Regulamento Geral 2019, o Regulamento Específico, e igualmente, do Aviso de Abertura.

O formulário de candidatura e as respetivas instruções de preenchimento estarão disponíveis a partir de hoje, dia 11 de março, no Portal do Artista.

Concurso de apoio a Bolsas de Qualificação e Especialização Artística da Fundação GDA começa a 8 de abril

As candidaturas ao concurso de apoio a Bolsas de Qualificação e Especialização Artística decorrem entre 8 de abril e 3 de maio de 2019. Neste programa, a Fundação GDA irá apoiar os artistas com uma verba total de € 195.000,00.

O objetivo deste concurso é estimular a especialização, a formação contínua e a valorização profissional dos atores, bailarinos e músicos, e fomentar a progressão das respetivas carreiras profissionais, através do desenvolvimento de projetos de especialização académica, ações de formação em técnicas avançadas dos domínios artísticos envolvidos, ou programas de pesquisa e desenvolvimento teórico que contribuam para o desenvolvimento das artes e da cultura nacional.

Este ano as candidaturas ao concurso realizam-se entre 8 de abril e 3 de maio e apenas serão admitidas candidaturas apresentadas por artistas intérpretes ou executantes, em nome individual, que demonstrem exercer atividade profissional regular ou que tenham terminado a licenciatura nas áreas artísticas nas áreas da música, teatro e dança.

O montante total de apoios a distribuir em 2019, neste programa, é de € 195.000,00 (cento e noventa e cinco mil euros). O montante máximo de cada bolsa a atribuir não poderá exceder os € 3.500 (três mil e quinhentos euros) nas formações a realizar dentro do território nacional e os € 6.500 (seis mil e quinhentos euros) para formações a realizar fora do território nacional.

Para este concurso, serão consideradas prioritárias as despesas relacionadas com as propinas e outros encargos obrigatórios com a realização do projeto, custos de admissão ou frequência das ações propostas na candidatura e ainda as despesas com seguros, materiais escolares ou de estudo obrigatórios. As bolsas concedidas terão de ser utilizadas entre 1 de agosto do ano da concessão da bolsa e o dia 1 de agosto do ano seguinte.

Aos interessados, recomenda-se a leitura do Regulamento Geral, do Regulamento Específico e ainda do Aviso de Abertura. O formulário de candidatura e as respetivas instruções de preenchimento estarão disponíveis no Portal do Artista, a partir de 8 de abril.

Festival MIL regressa a Lisboa com descontos para cooperadores da GDA

O MIL – Lisbon Internacional Music Network regressa a Lisboa, para uma nova edição. O evento que se assume como o principal festival e convenção profissional da música popular moderna de origem lusófona decorre já nos dias 27, 28 e 29 de março no Cais do Sodré em Lisboa. Os cooperadores da GDA beneficiam de um desconto de 25% na aquisição dos bilhetes que incluem acesso aos eventos profissionais.

O MIL – Lisbon Internacional Music Network está de volta, para mais uma edição. Tido como o melhor festival para criar redes de contactos no seio da indústria musical lusófona vai decorrer entre 27 e 29 de março, no Cais do Sodré, em Lisboa.

Através dos acordos que a Fundação GDA estabeleceu com a organização deste festival dirigido a profissionais da música, os artistas cooperadores da GDA têm a possibilidade de usufruir de um desconto de 25% sobre o preço do PRO Ticket, bilhete que dá acesso às conferências profissionais, que é de € 74,20.

O MIL é um festival e convenção internacional para profissionais mantendo o seu foco na música popular lusófona, assumindo-se como umponto de encontro entre agentes das indústrias músicas de todo o mundo, potenciando assim o mais fácil contacto internacional e facilitando a abertura de portas a novos mercados.

Desta vez será novamente constituído por dois tipos de programa: as convenções reservadas a profissionais (cujos oradores já se encontram em cartaz) e pelo festival musical, que é aberto ao grande público e com variados nomes já confirmados. Clique aqui para mais informação sobre o festival.

Os artistas cooperadores da GDA com interesse em usufruir deste desconto deverão entrar em contacto com a Fundação GDA, através do email comunicacao@fundacogda.pt, mencionando o nome completo e o respetivo número de cooperador.

Fundação GDA apoia a edição de 50 novos discos na segunda fase do Concurso de Apoio à Edição Fonográfica

À segunda fase do Concurso de Apoio à Edição Fonográfica de Intérprete 2018 promovido pela Fundação GDA foram admitidas 189 candidaturas de projetos discográficos, tendo sido selecionados 50, pelos quais será distribuído um montante global de € 150.000,00.

Após a avaliação das 189 propostas, o júri externo, constituído por Gonçalo Frota, Henrique Amaro e José Júlio Lopes, selecionou 50 projetos que serão apoiados no âmbito da segunda fase do Concurso de Apoio à Edição Fonográfica de Intérprete 2018.

Dessa meia centena, 40 projetos serão apoiados com uma verba de € 2.500, recebendo os restantes um valor de € 5.000,00.

Condições excecionais permitiram à Fundação GDA aumentar substancialmente a dotação orçamental destinada a este concurso. Dessa forma, tal como aconteceu na primeira fase, foi orçamentado, para a segunda, um valor global de € 150.000,00, em vez dos € 75.000,00 inicialmente previstos. Este incremento possibilitou igualmente apoiar um maior número de projetos.

Este concurso visa apoiar projetos de edição fonográfica de intérprete, suportando os custos relacionados com a gravação e produção de novas obras fonográficas. Com ele, a Fundação GDA pretende dinamizar o mercado editorial da música portuguesa, estimular a diversidade das expressões musicais e facilitar o acesso e o usufruto dos cidadãos à criatividade musical.

Na divisão por géneros musicais, nesta segunda fase, foram apoiados sete projetos de pop/rock, cinco de música clássica, cinco de jazz, cinco de música tradicional/popular, três ambiental, dois eletrónica, um de ligeira, um de world music e 21 de outros géneros musicais.

Em termos geográficos, os projetos dividem-se da seguinte maneira: 14 são originários de Lisboa, 15 de localidades da região da Grande Lisboa, dois da região Centro, sete da região Norte, 10 do Porto e dois do Sul.

Projetos Apoiados
  •   Processo n.º 1880 – André Júlio Turquesa
  •   Processo n.º 1885 – João Pedro Lopes Lima
  •   Processo n.º 1894 – Desidério Gaspar Lázaro
  •   Processo n.º 1896 – Tracy Vandal
  •   Processo n.º 1915 – Cardorôxo
  •   Processo n.º 1916 – Dada Garbeck
  •   Processo n.º 1921 – Luís Alexandre Conceição Grade Ferreira
  •   Processo n.º 1926 – Nuno Azevedo Ferreira da Rocha
  •   Processo n.º 1927 – Emanuel Tomás Custódio Macaia
  •   Processo n.º 1930 –  Filipe André da Silva Raposo
  •   Processo n.º 1938 – Pedro Miguel Carolina Mestre
  •   Processo n.º 1945 – Sebastião Botelho Moniz Burnay
  •   Processo n.º 1946 – Samuel de Brito Gonçalves
  •   Processo n.º 1948 – Planeta Tundra
  •   Processo n.º 1957 – David João Adão dos Santos
  •   Processo n.º 1965 – Fernando Paulo Ramos Nobre
  •   Processo n.º 1970 – Jorge Miguel Tomé da Silva Cordeiro
  •   Processo n.º 1973 – José Aníbal Lemos da Silva Albuquerque Beirão
  •   Processo n.º 1976 – Sopa de Pedra
  •   Processo n.º 1977 – Homem em Catarse
  •   Processo n.º 1979 – Ana Claudia de Assis
  •   Processo n.º 1980 – Naco
  •   Processo n.º 1991 – UHF
  •   Processo n.º 1994 – Curt Davis
  •   Processo n.º 1999 – Emmy Curl
  •   Processo n.º 2003 – Grunt
  •   Processo n.º 2005 – André Rosinha Trio
  •   Processo n.º 2012 – Marta Falcão
  •   Processo n.º 2022 – Rafael António Ayres dos Santos
  •   Processo n.º 2028 – Omniae Ensemble
  •   Processo n.º 2041 – Krake
  •   Processo n.º 2046 – Jorge Benvinda
  •   Processo n.º 2051 – Process of Guilt
  •   Processo n.º 2054 – Maria Luísa Loureiro Gonçalves
  •   Processo n.º 2065 – Noiserv
  •   Processo n.º 2066 – João de Brito e Cunha de Lucena e Vale
  •   Processo n.º 2069 – Flapi
  •   Processo n.º 2072 – Diogo de Nápoles Tudela e Pereira Carvalho
  •   Processo n.º 2073 – Pedro Alves da Costa de Sousa
  •   Processo n.º 2097 – Sallim
  •   Processo n.º 2099 – Alexandre Soares
  •   Processo n.º 2116 – Luis Miguel Simões Marques
  •   Processo n.º 2140 – Paisiel
  •   Processo n.º 2141 – Lourenço Crespo
  •   Processo n.º 2142 – Carlos Alexandre Barroso Ramos
  •   Processo n.º 2143 – Tomás Maria Braga da Cunha Ferreira
  •   Processo n.º 2146 – Sara Louraço Vidal Correia da Silva
  •   Processo n.º 2150 – João Espadinha
  •   Processo n.º 2160 – Ensemble FM
  •   Processo n.º 2170 – Conjunto Evite!

 

© Fotografia: Projeto de Luís António Coelho Fernandes, apoiado pela Fundação GDA no âmbito do Concurso de Apoio a Edições Fonográficas de Intérprete

Westway LAB regressa a Guimarães em abril de 2019 com conferências gratuitas para cooperadores da GDA

A música e a criação voltarão, em abril, a conquistar a cidade de Guimarães com concertos, conferências e residências artísticas. As conferências profissionais serão gratuitas para cooperadores da GDA.

Em Guimarães já está tudo a postos para receber a sexta edição do Westway LAB, que decorrerá entre os dias 10 e 13 de abril do próximo ano. A música e a criação voltarão a conquistar a cidade de Guimarães com concertos, conferências profissionais (gratuitas para cooperadores da GDA), estando já as candidaturas abertas para residências artísticas e showcases.

Como nas edições anteriores, o Westway LAB continuará, em 2019, a afirmar-se como um território internacional de criatividade, networking e também de usufruto de música.

O crescimento do festival consolidou-se ao longo dos últimos cinco anos, resultando de uma evolução natural que conta com uma rede de parceiros nacionais e internacionais que acreditam e investem no projeto. Entre esses parceiros, encontra-se a Fundação GDA que apoia as conferências profissionais.

A Fundação GDA garante, por essa via, aos cooperadores da GDA – Gestão dos Direitos dos Artistas o acesso gratuito às conferências profissionais, organizadas em estreita colaboração com a Associação de Músicos Artistas e Editoras Independentes (AMAEI).

Os cooperadores da GDA interessados em participar nessas conferências profissionais deverão enviar um email para comunicacao@gda.pt, mencionando o nome e o número de cooperador.

Concebido como um evento de música, pela música e para a música e tendo o Centro Cultural Vila Flor como base de operações, o festival alarga-se para diversos locais da cidade, passa por espaços culturais históricos e cosmopolitas, bem como por bares e restaurantes.

Com a sua primeira edição realizada em 2014, este festival tornou-se um destino preferencial para as bandas se apresentarem a figuras de relevo da indústria musical nacional e internacional. O Westway LAB foi o primeiro festival de showcase em Portugal e também o primeiro festival português a promover ativamente artistas portugueses no âmbito do Programa Europeu de Intercâmbio de Talento, o ETEP – Eurosonic. A partir de 2018, o Westway LAB passou também a ser parceiro do projeto INES (Rede de Inovação de Showcases Europeus).

Para a edição de 2019 já estão abertas as candidaturas aos showcases, aos quais podem concorrer bandas de worldmusic, indie/alternativa, eletrónica, pop avantgarde, artrock, rock alternativo, bem como cantautores. Mais informação aqui.

Também já abriram as candidaturas (só para artistas portugueses) para residências artísticas, destinadas a bandas dos géneros worldmusic, eletrónica, art-pop, alternativo e cantautores. Mais informações aqui.

Para mais informações consulte o site do Westway LAB.

EXIB Música faz quinta edição em Setúbal e convida artistas para a apresentação de showcases

A EXIB Música, principal plataforma de divulgação de música ibero-americana na Europa, realiza-se em Setúbal, entre 13 e 15 de junho. Os organizadores estão a convidar os músicos para se candidatarem, até dia 2 de novembro, aos showcases.

A EXIB Música, uma feira especializada em música dirigida exclusivamente à difusão e circulação da música independente da América Latina, Espanha e Portugal, fará a sua quinta edição em Setúbal, nos dias 13, 14 e 15 de junho.

Os músicos que queiram participar nos showcases deste evento deverão apresentar as suas candidaturas até ao próximo dia 2 de novembro.

Esta convocatória é aberta a todos os géneros musicais. As inscrições são gratuitas e feitas exclusivamente online na página web da EXIB Música (clicar no link).

Os showcases consistem em prestações de 40 minutos que serão presenciados por profissionais da indústria musical, como programadores, artistas, editores discográficos e jornalistas.

Para cenário da sua edição de 2019 (a quinta), a EXIB Música escolheu o enquadramento de uma das mais belas baías do mundo, com um programa que prevê, entre outros eventos, mais de 20 concertos, conferências, mesas redondas, encontros entre profissionais e uma feira de produtos regionais.

A Fundação GDA apoia esta iniciativa por considerar que representa mais uma via para a internacionalização do trabalho dos artistas músicos portugueses.

Concurso de Apoio à Circulação de Espetáculos: candidaturas abertas até 12 de outubro

Abriu esta segunda-feira, 24 de setembro, a segunda fase de candidaturas ao concurso de Apoio à Circulação de Espetáculos, promovido pela Fundação GDA. As candidaturas podem ser submetidas, até ao dia 12 de outubro no Portal do Artista.

Os artistas interessados em concorrer ao programa Apoio à Circulação de Espetáculos, promovido pela Fundação GDA, deverão proceder às suas candidaturas através do Portal do Artista, até ao dia 12 de outubro. Recomenda-se que consultem previamente o Regulamento Geral de Candidaturas aos Apoios 2018, o Regulamento Específico deste concurso, bem como o respetivo Aviso de Abertura.

Recorde-se que, através do seu programa de Apoio à Circulação de Espetáculos, a Fundação GDA apoia a apresentação pública de projetos de música, teatro e dança, em Portugal e no estrangeiro, tendo em vista estimular a circulação de espetáculos e artistas, bem como a divulgação e o desenvolvimento das suas carreiras.

Circunstâncias excecionais permitiram que este concurso tivesse, em 2018, um imprevisto aumento de orçamento, disponibilizando-se um montante global de €150.000 para distribuir pelas suas duas fases. Este valor representa um crescimento de 25% face aos €120.000 disponibilizados na edição de 2017.

Na primeira fase, o júri externo analisou 35 candidaturas, tendo deliberado o apoio a 28 projetos: quatro na área da dança, 20 na área da música e quatro na área do teatro. Nesta fase, foi atribuído um montante total de €73.3670, ficando o restante afeto à segunda fase.

O montante máximo de apoio a atribuir por candidatura é de €3.000,00 (três mil euros), sendo os apoios concedidos a título de comparticipação nas despesas ou encargos dos projetos, nomeadamente aqueles relativos aos custos dos artistas intérpretes ou executantes como cachets, viagens, estadias, alimentação e transporte.

As candidaturas apoiadas no âmbito deste programa terão, obrigatoriamente, de finalizar o circuito de apresentação dos espetáculos previstos no prazo máximo de 12 meses a contar da data da notificação sobre a atribuição do apoio.

© Imagem do projeto Mosaico – Fado Bailado, uma produção da Cerci Oeiras apoiada, em pelo Programa de Apoio à Circulação de Espetáculos da Fundação GDA

Concursos primeiro semestre: 186 projetos, 940 artistas

Durante o primeiro semestre de 2018, a Fundação GDA apoiou financeiramente, através dos seus programas, 186 projetos envolvendo um total de 940 artistas. Nesse período, o montante global investido pela fundação nos programas de apoio ascendeu aos € 769.369,92.

No primeiro semestre deste ano, a Fundação GDA apoiou financeiramente, através dos seus programas, 186 projetos envolvendo um total de 940 artistas. Nesse período, o montante global investido pela fundação nos programas de apoio ascendeu aos € 769.369,92.

Os programas de apoio da Fundação GDA encerrados nos primeiros seis meses de 2018 resultaram num investimento global de € 769.369,92, distribuídos por 186 projetos que envolveram 940 atores, músicos e bailarinos, de acordo com os números apurados pelo Departamento Cultural da fundação.

Recorde-se que, a Fundação GDA procura atuar, através dos seus programas de apoio, sobre as dinâmicas da produção e da criação artística. Dessa forma, os apoios são orientados para o papel específico de atores, bailarinos e músicos, visando diretamente o seu trabalho, as suas carreiras e as oportunidades de exercício profissional. Não se trata de apoios genéricos às Artes, mas aos artistas, suportando as despesas com eles diretamente relacionadas, como cachets, deslocações e seguros, entre outras.

Segundo os dados referidos, à primeira fase do concurso de Apoio à Edição Fonográfica de Intérprete 2018, concorreram 132 projetos, tendo um júri externo decidido apoiar 45 – 30 com € 2.500,00 e 15 com € 5.000,00. O montante total desta fase foi de € 150.000,99. Os projetos selecionados neste concurso envolvem um total de 256 artistas intérpretes.

No caso do programa de Apoio a Espetáculos de Teatro e Dança, o júri analisou 105 candidaturas, tendo selecionado 21, pelas quais foi distribuído o montante de € 156.000,00. Este programa apoia a produção e apresentação pública de projetos nos domínios do teatro, da dança e dos cruzamentos disciplinares, contribuiu assim para que o desenvolvimento da atividade profissional de 133 atores e bailarinos.

Na área do cinema, o número de projetos que concorreram ao programa de Apoio a Curtas-metragens cifrou-se no 89, tendo sido selecionados 37, envolvendo 234 atores. Os projetos escolhidos pelo júri deste programa obtiveram um apoio global de € 175.000,00.

Uma parte do investimento da Fundação GDA é canalizado para o programa de Apoio a Bolsas de Qualificação e Especialização Artística. Este ano foram submetidas ao júri externo do concurso 74 candidaturas, tendo sido concedido apoio a 47 (e a igual número de artistas): 34 na área da música, cinco na área da dança e seis na área do teatro. O montante global ascendeu aos € 200.000,00.

Das 35 candidaturas à primeira fase do programa de Apoio à Circulação de Espetáculos, o júri deliberou apoiar 28, envolvendo um total de 249 artistas. O montante global desses apoios ascendeu aos € 73.369,92, possibilitando a exibição pública de 28 projetos de música, teatro e dança, em Portugal e no estrangeiro.

Outro incentivo à apresentação de artistas portugueses, neste caso os músicos, é o novo programa de Apoio a Showcases Internacionais que suporta deslocações de bandas portuguesas convidadas a apresentarem-se em festivais para profissionais no estrangeiro. No primeiro semestre do ano, este apoio possibilitou a apresentação de 21 artistas portugueses em festivais que funcionam como montras profissionais e plataformas de encontro entre artistas, editoras e produtores.

Programa de Apoio

Artistas Intérpretes Apoiados

Montantes

Edição Fonográfica de Intérprete: 1.ª Fase 256 € 150.000,00
Showcases Internacionais 21 € 15.000,00
Espetáculos de Teatro e Dança 133 € 156.000,00
Circulação de Espetáculos: 1.ª Fase 249 € 73.369,92
Bolsas de Qualificação 47 € 200.000,00
Curtas-metragens 234 € 175.000,00
Total 940 € 769.369,92

 

© Foto: Diana Quintela

Projeto #makethemost terá mais duas sessões em 2018

Depois de a primeira sessão ter esgotado a lotação, o projeto #makethemost terá mais duas sessões até ao final do ano. A próxima será já a 17 de setembro e a seguinte a 19 de novembro.

A lotação para a primeira edição do projeto #makethemost (Fundos Europeus para as Artes e a Cultura), que decorreu dia 2 de julho, no espaço do Pólo das gaivotas, esgotou poucos dias após o anúncio público da sua realização. Entretanto, quem ainda quiser saber como tirar o máximo proveito dos fundos Europeus para projetos culturais, poderá inscrever-se numa das sessões que já estão confirmadas até ao final do ano: a próxima será já no dia 17 de setembro, nas instalações da GDA em Lisboa. A seguinte, a 19 de novembro no espaço da Culturgest.

Esta iniciativa promovida pela Fundação GDA, com produção da Mapa das Ideias e A Reserva, visa aproximar a comunidade artística portuguesa dos fundos europeus e tem como objetivo motivar os artistas e transmitir-lhes conhecimento de como aproveitar melhor os fundos europeus para os seus projetos.

O #makethemost assenta na realização de sessões informais, que pretendem fomentar o diálogo e a troca de experiências, facilitando o acesso à informação sobre os financiamentos da União Europeia. Tudo isso enquadrado num ambiente informal de tertúlia ao final da tarde.

A sessão de 17 de setembro centra-se no Programa Erasmus+, Ação-chave 2 (KA2) – Cooperação para a inovação e o intercâmbio de boas práticas (Parcerias Estratégicas), em especial no aviso que atualmente se encontra a decorrer “Parcerias estratégicas no domínio da juventude”. 

“O objetivo desta sessão é apresentar as oportunidades de financiamento neste programa”, explica Francisco Cipriano, especialista em fundos Europeus e mentor da iniciativa. Para tal, serão dados a conhecer projetos ganhadores neste domínio, o Arts in Action da Pr’Animação – Associação de Animação Cultura – e o BeMore, constituído por uma parceria que envolve os municípios de Azambuja, de Moya (Espanha, Canarias) e de Castel Bolognese (Itália).

O projeto #makethemost surgiu em 2018, na sequência do trabalho desenvolvido ao longo dos últimos dois anos, como uma das respostas da Fundação GDA à necessidade de criar mecanismos e metodologias para aprofundar a capacidade de relacionamento do setor artístico nacional com este universo. Este projeto não se ficará pelas três sessões de 2018, estando prevista a realização de mais seis sessões no ano seguinte, em diversas regiões do país.

“Com esta iniciativa, a Fundação GDA quer assumir um papel de catalisador, mediador e facilitador dos elementos que proporcionem uma maior fluidez na informação sobre programas comunitários dos quais os artistas possam beneficiar”, diz Mário Carneiro, diretor-geral da Fundação GDA.

Clicar aqui para saber mais sobre a 2.ª sessão