Ações de Formação em Lisboa e no Porto com condições especiais para artistas cooperadores da GDA

Os Artistas Cooperadores da GDA podem beneficiar de inscrições a preço reduzido (5 euros) para frequentarem as ações de formação que vão acontecer nas cidades de Lisboa e do Porto, entre setembro e dezembro.

Estas ações de formação inserem-se no leque formativo que a Fundação GDA concebeu para este ano, tendo assim como principal objetivo fornecer aos artistas ferramentas para complementar e fortalecer a sua prática artística, bem como garantir uma abordagem mais transversal aos seus projetos numa lógica de ampliar as suas capacidades e autonomia.

A cidade do Porto irá acolher três ações de formação viradas para aspetos relacionados com temas como a gestão cultural e financeira das organizações artísticas ou o marketing e comunicação para as artes. Para estas iniciativas, que se realizam na Biblioteca Municipal, a Fundação GDA conta com a parceria da Câmara Municipal do Porto, encontrando-se a produção executiva a cargo da Bússola.

Já em Lisboa, no âmbito de uma parceria da Fundação GDA com o Teatro Nacional D. Maria II, serão realizadas ações de formação em áreas e tipologias distintas, desde a dimensão técnico-artística, a ferramentas relativas aos aspetos e processos da internacionalização, até às tecnologias de cena.

Para mais informações acerca deste plano formativo consulte esta página.

PORTO
Preenchimento do formulário.
Preço normal: €20 por módulo
Preço para Artistas Cooperadores da GDA: €5 por módulo

LISBOA
Para mais informações sobre as ações de formação em Lisboa, consulte este documento.
Preço normal: €20
Preço para Artistas Cooperadores da GDA: €5

Já abriu a segunda fase do concurso de Apoio à Circulação de Espetáculos da Fundação GDA

As candidaturas à segunda fase do Concurso de Apoio à Circulação de Espetáculos 2019 abriram esta segunda-feira, 23 de setembro, e decorrerão até dia 11 de outubro, devendo os artistas interessados submeter, até essa data, as suas candidaturas através do Portal do Artista.

Este concurso anual, que se realiza em duas fases, visa incentivar a apresentação pública de projetos de música, teatro e dança, em Portugal e no estrangeiro, tendo em vista promover a circulação de espetáculos e artistas, e favorecer a divulgação e desenvolvimento da sua carreira profissional e artística. Para este ano, a Fundação GDA disponibilizou um montante total de €140.000,00, a dividir em partes iguais pelas duas fases do concurso.

Recorde-se que na primeira fase do Programa de Apoio à Circulação de Espetáculos 2019, a Fundação GDA selecionou 20 projetos de Teatro, Dança e Música, envolvendo 104 artistas, aos quais atribuiu um montante global de 70.600€.

O apoio financeiro concedido pela Fundação GDA destina-se essencialmente a suportar custos diretamente relacionados com o trabalho desenvolvido pelos artistas intérpretes ou executantes, nomeadamente cachets, viagens, estadias, alimentação ou transportes.

Para mais informações, consulte o Aviso de Abertura, o Regulamento Geral dos apoios da Fundação GDA e o Regulamento Específico do concurso.

Programa de Apoio a Showcases Internacionais apoia deslocação de 133 músicos a 18 festivais

O momento muito positivo que se tem vindo a sentir nos últimos tempos, no plano internacional, em relação à música portuguesa, tem vindo a gerar um número crescente de convites a bandas e músicos nacionais no sentido de apresentarem as suas criações em festivais de showcases internacionais, registando-se, muitas vezes, infelizmente, dificuldades financeiras que impediam a aceitação desses convites.

Esse fenómeno suscitou a promoção, por parte da Fundação GDA, de um programa de apoio específico para responder às novas necessidades sentidas nessa área – o Programa de Apoio à participação de Festivais de Showcases Internacionais. A execução desse programa tem, entretanto, sido acompanhada por um crescimento substancial do número dos artistas que concorrem ao programa, tanto por força do aumento do número de convites formulados para o efeito, como pela própria ampliação do universo dos festivais em causa e contemplados no programa de apoio.

Tendo em consideração os efeitos do sucesso alcançado com o interesse demonstrado nesta iniciativa por parte dos artistas, e em conclusão da afluência registada até ao momento, verificou-se já em agosto que o total das verbas inicialmente disponibilizadas para o programa tinha sido esgotado, o que determinaria o encerramento de novas candidaturas para o corrente ano, conforme estipulado no regulamento em vigor.

O orçamento de 2019 ano consignou um total de 60.000 euros para esta iniciativa. Contudo, para fazer face ao número crescente de solicitações, a Administração da Fundação GDA tomou a decisão, em agosto, e a título excecional, de reforçar o orçamento do programa com mais 10.000 euros. Apesar desse esforço adicional, e com esse total de 70.000 euros disponíveis para apoios esgotado, chega agora a altura de suspender a receção de novas candidaturas.

A Fundação GDA congratula-se com os excelentes resultados alcançados pelos músicos portugueses nesta nova abertura aos mercados internacionais. Os artistas nacionais irão continuar a contar com o apoio da Fundação GDA nesta área já a partir do próximo ano, podendo começar a concorrer à edição de 2020 logo a partir do dia 1 de dezembro de 2019.

Os festivais de showcase internacionais são eventos profissionais em que os músicos, além de apresentarem as suas obras ao público internacional, estabelecem novos contatos, redes de trabalho e sinergias que os aproximam de produtores e programadores, amplificando o seu esforço e os seus talentos.

Através do programa agora encerrado, ao longo deste ano a Fundação GDA apoiou a deslocação de um total de 133 músicos nacionais (35 bandas) a 18 festivais internacionais, que se realizaram em 12 países e quatro continentes diferentes.

O Programa de Apoio a Showcases Internacionais é um dos pilares estruturantes da política de apoio à internacionalização dos artistas portugueses levada a cabo, nos últimos anos pela Fundação GDA, procurando ajudar a suportar os custos envolvidos com as deslocações, estadias e alimentação de artistas músicos convidados e garantindo, assim, em muitas ocasiões a participação nesses eventos internacionais.

Nova sessão do #makethemost em Lisboa, a 30 de setembro

O projeto #makethemost – Fundos Europeus para as Artes e Cultura, através do qual a Fundação GDA pretende aproximar a comunidade artística nacional dos instrumentos de financiamento europeu, terá a sua sétima edição, a 30 de setembro, entre as 17h30 e as 20h30, nas instalações da Fundação GDA.

Esta sétima sessão do #makethemost centra as atenções nos aspetos críticos na formulação de uma candidatura de projetos culturais ao Programa ERASMUS+ e ao Programa Europa Criativa. A sessão será acompanhada por responsáveis nacionais desses programas, Rui Gato e Susana Costa Pereira, respetivamente, que intervirão durante a apresentação dos projetos e estarão disponíveis para responder a quaisquer questões suscitadas.

Neste contexto, a cooperativa artística Glocalmusic irá apresentar So Far So Near – Inclusive Arts, um projeto financiado pelo programa Erasmus+ e desenvolvido pela cooperativa Glocalmusic, que se ocupa da exploração de metodologias inclusivas de aprendizagem artística e de boas práticas para com artistas portadores de deficiência.

Por sua vez, Ana Fabíola Maurício irá falar sobre a experiência do 4Cs – From conflict to Conviviality Through Culture and Creativity, um projeto de cooperação europeia, financiado pelo Programa Europa Criativa, que procura entender como é que a educação artística e cultural pode constituir um recurso ativo para lidar com o conflito.

A moderação desta sessão estará a cargo de Francisco Cipriano, o mentor do projeto e e especialista em Fundos Europeus, que tem um extenso percurso profissional ligado aos instrumentos de apoio a políticas públicas, focado no desenvolvimento regional e da política de coesão.

Com o projeto #makethemost, a Fundação GDA pretende influenciar a motivação, o conhecimento e a capacidade de detetar oportunidades de financiamento para projetos artísticos e culturais portugueses, fomentando o diálogo e a troca de experiências numa dinâmica continuada, através da realização de sessões informais, em espaços privilegiados.

Esta iniciativa é levada a cabo em conjunto com as outras ações a cargo da Fundação GDA no domínio dos financiamentos europeus, incluindo as sessões de aconselhamento individuais, e tem como principal objetivo motivar os artistas pelo conhecimento, tendo em vista a maximização das oportunidades de financiamento para os seus projetos.

A participação é gratuita, mas sujeita a inscrição prévia, dado o limite de lotação da sala.

+ informações e programa

Formulário de inscrição

Fundação GDA organiza sessões de Divulgação sobre o Direito de Autor em Bragança, Porto e Lamego em parceria com a Direção Regional de Cultura do Norte

A Fundação GDA e a Direção Regional de Cultura do Norte, organizam três ações de sensibilização e divulgação sobre o Direito de Autor e os Direitos Conexos, nos distritos de Bragança, dia 19 de setembro, Porto, 26 de setembro, e Lamego, dia 3 de outubro.

A criação destas ações, de acesso gratuito, traduz-se numa oportunidade para a aquisição de conhecimentos sobre a legislação que regula os direitos da atividade artística, onde serão exploradas e debatidas as questões fundamentais sobre este universo legal, de uma forma simples e acessível que pretende desmistificar a complexidade inerente a estas temáticas.

A participação carece de inscrição prévia, estando condicionada a um mínimo de 10 participantes e um máximo de 40. Aos interessados em participar nas sessões de sensibilização basta submeterem a sua inscrição através do formulário disponibilizado pela Direção Regional de Cultura do Norte.

O objetivo desta parceria entre a Fundação GDA e as Direções Regionais de Cultura a é promover a dispersão territorial de informação sobre o Direito de Autor e Direitos Conexos, esclarecendo quais os mecanismos existentes de apoio e proteção que assistem aos artistas.  No âmbito desta iniciativa já se realizaram se sessões de sensibilização em Faro, Évora, Caldas da Rainha e Coimbra.


LOCAIS, DATAS e HORÁRIOS
– Bragança: Museu do Abade de Baçal, 19 de setembro, 14h30-17h30;
– Porto: Casa Allen, 26 de setembro, 14h-17h (inscrições esgotadas);
– Lamego: Museu de Lamego, 3 de outubro, 14h-17h.

DESTINATÁRIOS
– Escolas Superiores de Ensino Artístico;
– Conservatórios e Escolas de Ensino Profissional de Teatro, Dança e Música;
– Organizações de Produção Artística;
– Organizações Profissionais com envolvimento nesta área: Magistrados, Sindicatos, entre outros.

CONTEÚDOS

I. Enquadramento

  • Direito da Propriedade Intelectual:
    a) Direito Industrial vs Direito Autoral
    b) Direito de Autor vs Direitos Conexos
  • O que é protegido no Direito de Autor e nos Direitos Conexos
  • Quem detém esses direitos

II. Aplicação

  • Quais os poderes exclusivos de quem detém Direitos de Autor e Direitos Conexos
  • Autorizações e Contratos
    a) Exemplos práticos
  • Prazos de Proteção
  • Utilizações livres
  • Violação do Direito de Autor e dos Direitos Conexos
  • Gestão Individual e Gestão Coletiva

Já abriram as inscrições para o programa Contratação+

Já se encontram abertas as inscrições para o Programa Contratação+, uma iniciativa promovida pela Fundação GDA e pela GEDIPE – Associação para a Gestão Coletiva de Direitos de Autor e de Produtores Cinematográficos, que visa facilitar a contratação dos atores até aos 30 e a partir dos 60 anos no setor audiovisual, na perspetiva de enfrentar as dificuldades existentes nesta área.

Com este programa, a Fundação GDA e a GEDIPE pretendem contribuir para facilitar o trabalho de pesquisa e seleção de atores por parte dos produtores e dos realizadores, promovendo mais oportunidades de trabalho neste setor a um maior número de jovens com formação e, porventura, influenciando mesmo os guionistas à criação de mais papéis que incluam personagens mais velhas nas suas obras para cinema e TV.

O programa consiste na criação de uma base de dados, onde os artistas poderão inscrever-se, caso cumpram determinadas condições, e à qual os produtores terão acesso para selecionar os atores que pretendam contratar, num processo acompanhado por uma comissão composta por elementos da Fundação GDA e da GEDIPE.

Os atores já podem iniciar a sua inscrição numa plataforma criada para o efeito pode ser acedida através do site da Fundação GDA – AQUI.

Em data posterior, a anunciar brevemente, também os produtores poderão aceder à plataforma, inserir os seus projetos e selecionar os atores presentes na base de dados.

Para que os artistas se possam inscrever neste programa de apoio terão de preencher alguns requisitos.

No caso dos atores mais jovens, até aos 30 anos, só poderão candidatar-se aqueles que tiverem concluído formação académica superior na área da interpretação, ou, em alternativa, quem tenha terminado um curso profissional na área e participado como profissional remunerado em, pelo menos, três espetáculos de teatro, ou em dois projetos de ficção audiovisual.

No caso dos atores mais velhos, a idade tem de ser igual ou superior aos 60 anos e possuírem uma carreira profissional comprovada, com ou sem formação específica. Em ambos os casos, o programa destina-se exclusivamente a atores profissionais.

Para além das condicionantes de natureza etária e de natureza técnica, existem ainda outras de carácter social, uma vez que as condições financeiras requeridas são: a de os artistas não terem usufruído um rendimento ilíquido superior a 20.000 euros no último ano; e a de não terem recebido, nos 12 meses anteriores, rendimentos de mais de 5.000 euros do cinema ou da televisão. O incentivo também não se aplica aos atores que fiquem com o papel de protagonistas nas obras candidatas aos apoios, independentemente da sua idade.

Para mais informações fique atento ao site da Fundação e às nossas redes sociais. Aconselhamos ainda a leitura cuidada do regulamento do programa Contratação+.

Campanha de apoio às primeiras edições de discos em 2018 e 2019 decorre até janeiro

A campanha MODE da Fundação GDA que está em curso faz coincidir, pela primeira vez, o ano-alvo com o ano do seu lançamento. A música editada no mercado português, em 2018 e 2019, pode ser declarada nos próximos meses, até 31 de janeiro. O montante total disponibilizado para este programa será de 400 mil euros, a distribuir pelos intérpretes e executantes dos álbuns editados nos dois anos de referência. Os artistas devem declarar o seu repertório. Estas são as 10ª e 11ª edições do Programa MODE.

A Campanha MODE’18+19 – através da qual a Fundação GDA apoia as primeiras edições comerciais de obras discográficas em Portugal durante os anos de 2018 e 2019 – já começou e a entrega dos álbuns pode ser feita até 31 de janeiro. As declarações de repertório pelos artistas poderão ser feitas até 14 de fevereiro de 2020.

O ano de 2019 é o primeiro em que a Fundação GDA faz coincidir o ano-alvo do programa com o ano do início da campanha. O MODE pretende valorizar o repertório musical de edição recente e, ao mesmo tempo, incentivar a declaração de repertório por parte dos intérpretes e executantes que participam na gravação de álbuns, seja em CD, DVD ou noutros suportes físicos: só assim poderão receber, mais tarde, a parte que lhes cabe dos direitos que as suas obras gerarem.

“Este ano concretiza-se finalmente o objetivo de fazer coincidir o ano-alvo do MODE com o ano corrente” afirma Luís Sampaio, vice-presidente da GDA – Gestão dos Direitos dos Artistas. “No ano passado, já lançámos em simultâneo as campanhas relativas a obras discográficas editadas em 2016 e 2017, o que nos permitiu encurtar o atraso entre o lançamento dos discos e o pagamento dos apoios. Nesta edição, ao conseguirmos a coincidência entre o ano-alvo do programa e o ano em curso, faremos com que o pagamento seja feito ainda mais rapidamente, o que será um estímulo para a edição de novas obras”.

As declarações de repertório irão alimentar os sistemas de monitorização da GDA, os quais permitirão aos artistas receber os direitos de utilização das suas obras no espaço público da forma mais proporcional e justa possível. As declarações de repertório, bem como a entrega dos suportes áudio, permitirão igualmente disponibilizar aos cooperadores da GDA o acesso direto ao registo da utilização das suas músicas nas rádios e televisões através do seu Portal, em tempo quase real.

Os Programas MODE’18 e MODE’19 contam, cada um, com 200 mil euros para apoiar os artistas – intérpretes e executantes – das obras lançadas em 2018 e das que forem lançadas até ao final de 2019, respetivamente, totalizando assim 400 mil euros de incentivos.

“Todos os artistas que ainda não tenham declarado os discos através do Portal GDA e entregado os registos fonográficos das obras em que participaram em 2018 e durante o ano de 2019, nas nossas instalações, deverão fazer a entrega física até 31 de janeiro”, afirma Luís Sampaio. “Para além disso, deverão declarar o seu repertório nessas mesmas obras, quer carregando no Portal GDA os dados das suas participações artísticas, quer falando com os gestores de repertório no Porto ou em Lisboa. Esta será a única forma de, mais tarde, virem a receber o incentivo MODE”.

Apesar de o prazo para entrega das obras fechar a 31 de janeiro, todos os executantes ou intérpretes que tenham participado nelas terão mais duas semanas para fazer as suas declarações de repertório. A Campanha MODE’18+19 destina-se a músicos – intérpretes ou executantes – que já sejam cooperadores da GDA, ou que venham a sê-lo até à data de conclusão das campanhas.

Nas campanhas MODE’18 e MODE’19, o Regulamento do programa registou alterações face às edições anteriores. “Essas alterações visam introduzir mais eficiência no processo e uma maior justiça na distribuição dos incentivos”, explica Luís Sampaio.

Assim, o prazo de pagamento dos incentivos foi reduzido de três para um ano, com a finalidade de alinhar esses prazos com os dos restantes programas promovidos pela Fundação GDA. Ao mesmo tempo, o número de obras com que cada artista intérprete pode participar no programa é, no presente caso, de duas. No caso de algum artista intérprete ter participado em mais de duas obras, serão tidas em conta aquelas em que este tiver mais participações declaradas. Por outro lado, as obras em que o artista principal seja um coletivo integrado por quatro ou mais artistas terão um fator de ponderação maior.

Para mais informações consulte o Regulamento do Programa MODE’18 e MODE’19, disponível para consulta no site próprio do programa: www.mode.fundacaogda.pt

Workshop Ser Um Outro de Suzana Borges com condições especiais para artistas cooperadores da GDA

Os artistas cooperadores da GDA podem beneficiar de um desconto de 50% na inscrição para o workshop de Teatro – Ser Um Outro que decorrerá, nos dias 28 e 29 de setembro, no Auditório São Vicente, em Alcabideche, no âmbito de um apoio prestado pela Fundação GDA à iniciativa da Catharsis Emotional Arts.

Esta ação de formação, ministrada pela atriz Suzana Borges, tem como objetivo principal libertar os atores e futuros atores de ideias feitas quanto à representação e levá-los para um espaço de liberdade e fruição do seu eu e da personagem.

Pode inscrever-se neste workshop através do preenchimento do formulário disponibilizado no site Catharsis Emotional Arts.

INFORMAÇÕES SOBRE O WORKSHOP

Destinatários principais: atores, estudantes da profissão, artistas e público em geral, maiores de 18 anos.

Duração: 2 dias das 10h às 17h30. Total 13h. (Com uma pausa de 1h)

Número de vagas disponíveis: 10 (mínimo), 20 (máximo)

Custos da inscrição: 120€ público em geral / 100€ para associados e atores Catharsis Emotional Arts / Apoio da Fundação GDA a todos os artistas cooperadores de 50% do valor total (máximo 10)

Já abriu a segunda fase do Concurso de Apoio à Edição Fonográfica de Intérprete da Fundação GDA

As candidaturas à segunda fase do Concurso de Apoio à Edição Fonográfica de Intérprete 2019 abriram esta segunda-feira, 9 de setembro, e decorrem até dia 27, devendo os artistas interessados submeter, até essa data, as suas candidaturas através do Portal do Artista.

A Fundação GDA, através deste programa anual, que se realiza em duas fases, pretende dinamizar o mercado editorial da música portuguesa, a diversidade das expressões musicais e o acesso e usufruto dos cidadãos à criatividade musical.

Este ano, o montante a distribuir é de € 300.000, a dividir em partes iguais pelas duas fases do concurso. Em cada fase existem dois patamares financeiros de apoio: € 3.500,00 para projetos que envolvam até três músicos; e € 5.500,00 para projetos que envolvam mais de três músicos. Os apoios são destinados a suportar os custos relacionados com a gravação e produção de novas obras fonográficas.

Recorde-se que na primeira fase do Concurso de Apoio à Edição Fonográfica de Intérprete da Fundação GDA foram admitidas 223 candidaturas, tendo sido selecionados 32 projetos para apoio.

Para mais informações acerca deste concurso recomenda-se a consulta do Regulamento Geral 2019, do Regulamento Específico e do Aviso de Abertura.

Fundação GDA e GEDIPE lançam novo programa de incentivo à contratação de artistas até aos 30 e a partir dos 60 anos, para cinema e televisão

A Fundação GDA e a GEDIPE lançam, a partir do dia 16 de setembro, o novo Programa Contratação+, uma iniciativa que visa facilitar a contratação dos atores até aos 30 e a partir dos 60 anos no setor audiovisual, na perspetiva de enfrentar as dificuldades existentes nesta área.

Os artistas jovens com formação na área da representação e aqueles que se encontram numa fase já mais avançada da sua carreira poderão, pois, contar já a partir deste mês com este novo programa e terem mais expetativas na possibilidade de serem contratados para projetos de cinema e televisão.

Promovido pela Fundação GDA e pela GEDIPE (Associação para a Gestão Coletiva de Direitos de Autor e de Produtores Cinematográficos e Audiovisuais), o Programa Contratação+ prevê um investimento de 90.000 € no seu primeiro ano de execução, podendo suportar valores até 3.000 € por ator, num máximo de 9.000 € por projeto. O apoio poderá atingir até 70% dos seus honorários. Ao mesmo tempo, do ponto de vista social, perspetiva-se uma diversificação das oportunidades de trabalho para artistas com menores rendimentos.

“Trata-se de um apoio que visa diretamente os artistas, na medida em que as verbas disponibilizadas pelo programa se destinam exclusivamente a apoiar os seus cachets”, explica Mário Carneiro, diretor-geral da Fundação GDA.

“Por um lado, constata-se neste setor que atores em início de carreira e com formação específica se encontram muitas vezes em concorrência direta com jovens sem qualquer formação em representação. Por outro, para aqueles que estão numa fase mais avançada da sua carreira profissional, as oportunidades escasseiam à medida que a idade avança, inclusivamente pela diminuição do número de papéis disponíveis para atores com mais de 60 anos”, diz Mário Carneiro.

Com este programa, a Fundação GDA e a GEDIPE pretendem contribuir para facilitar o trabalho de pesquisa e seleção de atores por parte dos produtores e dos realizadores, promovendo mais oportunidades de trabalho neste setor a um maior número de jovens com formação e, porventura, influenciando mesmo os guionistas à criação de mais papéis que incluam personagens mais velhas nas suas obras para cinema e TV.

A GDA – Gestão dos Direitos dos Artistas é a entidade que em Portugal gere os direitos de propriedade intelectual de músicos, atores e bailarinos. A Fundação GDA foi criada para assegurar uma intervenção nas áreas social, cultural e de formação, centrada na valorização do trabalho dos artistas, na promoção do seu desenvolvimento e cultural humano e na sua proteção social. A GEDIPE, por seu lado, representa os produtores cinematográficos, videográficos e televisivos portugueses. O programa Contratação+ será suportado em 50% por cada uma das entidades.

Paulo Santos, diretor-geral da GEDIPE, considera o programa Contratação+ “exemplar a nível mundial, uma vez que é um projeto de colaboração entre estruturas que representam produtores e artistas”.

“Todas as profissões do audiovisual são imprescindíveis – produtores, realizadores, autores e atores. É a sua complementaridade que produz a criatividade artística, razão pela qual devemos apoiar aqueles que, no início ou numa fase mais avançada das suas carreiras, estão em situação mais frágil”, esclarece Paulo Santos.

O programa consiste na criação de uma base de dados, onde os artistas poderão inscrever-se, caso cumpram determinadas condições, e à qual os produtores terão acesso para selecionar os atores que pretendam contratar, num processo acompanhado por uma comissão composta por elementos da Fundação GDA e da GEDIPE. Os atores poderão iniciar as suas inscrições, já no próximo dia 16 de setembro, numa plataforma criada para o efeito e alojada no site da Fundação GDA. Em data posterior, a anunciar brevemente, também os produtores poderão aceder à plataforma, inserir os seus projetos e selecionar os atores presentes na base de dados.

“Os produtores portugueses saberão utilizar esta bolsa de empregabilidade e, seguramente, irão enriquecer a ficção nacional com ela”, prevê Paulo Santos.

Para que os artistas se possam inscrever neste programa de apoio, já a partir de dia 16 de setembro, terão de preencher alguns requisitos.

No caso dos atores mais jovens, até aos 30 anos, só poderão candidatar-se aqueles que tiverem concluído formação académica superior na área da interpretação, ou, em alternativa, quem tenha terminado um curso profissional na área e participado como profissional remunerado em, pelo menos, três espetáculos de teatro, ou em dois projetos de ficção audiovisual. No caso dos atores mais velhos, a idade tem de ser igual ou superior aos 60 anos e possuírem uma carreira profissional comprovada, com ou sem formação específica. Em ambos os casos, o programa destina-se exclusivamente a atores profissionais.

Para além das condicionantes de natureza etária e de natureza técnica, existem ainda outras de carácter social, uma vez que as condições financeiras requeridas são: a de os artistas não terem usufruído um rendimento ilíquido superior a 20.000 euros no último ano; e a de não terem recebido, nos 12 meses anteriores, rendimentos de mais de 5.000 euros do cinema ou da televisão. O incentivo também não se aplica aos atores que fiquem com o papel de protagonistas nas obras candidatas aos apoios, independentemente da sua idade.

Para mais informações fique atento ao site da Fundação e às nossas redes sociais. Aconselhamos ainda a leitura cuidada do regulamento do programa Contratação+.

Circulação de espetáculos

Programa de apoio à apresentação pública de projetos de música, teatro e dança, em Portugal e no estrangeiro, tendo em vista promover a circulação de espetáculos e artistas e favorecer a divulgação e desenvolvimento da sua carreira profissional.