Isto não é mais um Podcast T2 – #12

Na última conversa da temporada 2 recebemos a Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa IP, por inerência também Presidente da Comissão Diretiva do Lisboa 2030, Teresa Almeida.
A CCDR é um organismo público, que promove a coordenação e o desenvolvimento regional através de várias dimensões, de dinamização, concertação, regulação e fiscalização dos territórios da região de Lisboa e Vale do Tejo. Já o Programa Regional Lisboa 2030, constitui o principal instrumento de financiamento da política de coesão europeia e é o elemento central desta conversa. Neste último episódio ficamos a conhecer as principais linhas de financiamento do Lisboa 2030, que mantém uma linha de continuidade relativamente ao Lisboa 2020, associada às lógicas de coesão territorial, e os detalhes do recente aviso “inclusão pela cultura” atualmente aberto no Programa.

Isto não é mais um Podcast T2 – #11

Alice Bernardo e Miguel Barbot são os principais protagonistas da Barbot e Bernardo, a casa mãe dos projetos Ofício e Saber Fazer. O Ofício e o Saber Fazer partilham o mesmo teto e são duas faces do mesmo projeto. O Saber Fazer dedica-se desde 2011 à investigação, valorização e divulgação das técnicas de produção artesanal e semi-industrial. É um projeto educativo que tem como objetivo assegurar a passagem de conhecimento técnico, mas também sensibilizar para as questões da sustentabilidade ambiental, social e económica. Já o Ofício é uma consultora com um conhecimento profundo da realidade dos negócios criativos, apoiando-os na sua gestão e no planeamento estratégico e prestando serviços de apoio ao seu desenvolvimento. Em perfeita simbiose têm desenvolvido vários projetos de cooperação com recurso a financiamento europeu. Nesta conversa, entre dicas úteis e conselhos de quem sabe, falam-nos do seu recente projeto Community Cloth e da experiência que foi o projeto anterior Gateway Crafts, Gateway Crafts – innovative and cross-platform learning in small scale manufacturing. Ambos os projetos foram financiados pelo programa Eramus+.

Isto não é mais um Podcast T2 – #10

O Gerador é uma plataforma portuguesa independente de jornalismo, cultura e educação que está comprometida em ser um espaço onde a cultura se senta à mesa com a sustentabilidade, o multiculturalismo, a inclusão social e com todos os grandes temas da atualidade. O recente projeto europeu financiado pelo programa Europa Criativa “Manifest” sublinha esta preocupação e evoca as novas perspetivas artísticas sobre as memórias do comércio transatlântico de pessoas escravizadas.
Neste episódio, falamos com Clara Amante sobre o processo de elaboração da candidatura, como chegaram às parcerias e como foi relevante o forte entendimento com os parceiros na concretização resultados e no valor acrescentado para a organização. O consórcio é composto por cinco parceiros de cinco países da UE: Dinamarca, Bélgica, Hungria e Portugal; e França. Em conjunto, combinam uma experiência muito forte em tecnologia digital ao serviço das artes envolvendo artistas e indústrias criativas. O projeto dirigir-se-á fortemente a artistas e públicos jovens e multiculturais e, em particular, àqueles que estão pessoal e culturalmente mais diretamente ligados aos efeitos a longo prazo deste comércio.

Isto não é mais um Podcast T2 – #9

Pode uma escola atuar, com recurso ao poder transformador da música urbana e contemporânea, na promoção da inclusão social de crianças e jovens que vivem em territórios urbanos problemáticos? Sim pode. Este é o mote da nossa conversa com a Mariana Duarte Silva, diretora da SKOOLA – Academia de Música Urbana.
O projeto SKOOLA, apoiado no Programa Regional de Lisboa do Portugal 2020, no Portugal Inovação Social – Parcerias para o Impacto, permitiu contribuir para a eliminação de discriminações, assimetrias económicas, sociais, culturais e territoriais através de práticas artísticas e culturais e para a construção de novas perspetivas de futuro para um grupo de crianças e jovens da área metropolitana de Lisboa. Para além da virtuosidade temática, Mariana apresenta um olhar crítico sobre a forma processual deste instrumento de financiamento, sugere melhorias na sua próxima edição e explica-nos como foi o processo de candidatura do seu novo projeto europeu numa disponibilidade inesgotável de aprender.

Isto não é mais um Podcast T2 – #8

Uma conversa que surge no exato momento em que o quadro programático do Portugal 2030 já está totalmente estabilizado e quando começam a surgir os primeiros avisos que permitem o financiamento de projetos artísticos e culturais desde que na sua conceção cumpram os objetivos de desenvolvimento económico e territorial, de inclusão social e de valorização do papel da cultura e das atividades artísticas e criativas nos processos de desenvolvimento nas zonas urbanas e não urbanas.
Com Luís Francisco abordamos estas possibilidades no Programa Centro 2030. Este programa destina-se a promover a competitividade da economia, a sustentabilidade ambiental e a valorização do território e das pessoas na região, no quadro da Política de Coesão da União Europeia. Através deste programa pretende-se operacionalizar a estratégia de desenvolvimento da região e as estratégias sub-regionais das Comunidades Intermunicipais onde a associação do setor artístico e cultural às autarquias e às CIM pode ser determinante fomentando a coprodução da política regional entre estas entidades.

Isto não é mais um Podcast T2 – #7

Neste episódio olhamos para outra perspetiva da participação do setor cultural e criativo no financiamento europeu. Como podemos participar enquanto artistas ou agitadores sociais como Varela gosta de ser conhecido? A conversa vai muito para além da sua participação ativa nos projetos europeus Europa Criativa “People Power Partnership” (projeto de cocriação que reúne jovens de 13 cidades europeias, em 11 países e que permitiu o desenvolvimento de coproduções no espaço público focadas em problemas sociais relevantes) e ERASMUS+ “#Voices4Weapons” (foca temas como abandono escolar precoce e os baixos níveis de aproveitamento escolar), e aborda os seu vários projetos, designadamente “Chelas é o sítio” – “Kriativu” e como é permitindo que jovens de zonas urbanas complexas possam participariam em projetos internacionais deste tipo onde o Hip-hop é utilizado como um meio para fazer face à frustração causada por questões como a exclusão social, a discriminação, o racismo, o sexismo e a pobreza, incentivando os jovens a participarem mais ativamente na sociedade.

Isto não é mais um Podcast T2 – #6

Gonçalo Riscado explica-nos nesta conversa a importância do desdobramento da linguagem quando em causa está a preparação de candidaturas ao financiamento europeu. A CTL participa nos projetos europeus financiados pelo Programa Europa Criativa Liveurope (plataforma europeia de apoio à circulação de artistas emergentes), Slash Transition (música como catalisador de cidades sustentáveis) e JUMP-European Music Market Accelerator (programa acelerador de ideias e projetos para a indústria musical) e é responsável por diversos projetos culturais nacionais e internacionais, entre os quais se destacam o MIL – Lisbon International Music Network (festival e convenção internacional), o Musicbox Lisboa (sala de concertos e clube noturno) e a Casa Capitão (espaço de programação pluridisciplinar) ou o Festival Silêncio (festival transdisciplinar).

Isto não é mais um Podcast T2 – #5

Neste episódio, Bernardo Limas fala-nos do projeto “Poetry of Resistance” que obteve financiamento do programa europeu Cidadãos, Igualdade, Direitos e Valores. Em parceria com a Eurosud (Itália), a Globers (Espanha) e a IRMI (Alemanha), este projeto visa promover a Memória Europeia e a participação ativa dos jovens, através da cultura e das artes, sobre o papel desempenhado pelos movimentos artísticos de resistência no combate às ditaduras do século XX.

Isto não é mais um Podcast T2 – #4

Nesta conversa, Marta Silva fala-nos do projeto COOPTERR, uma candidatura ao programa Erasmus+, nas áreas de formação em práticas de Cooperação Territorial através da Cultura e da Economia Social e Solidária, sendo o LARGO Residências parte integrante do consórcio, juntamente com o GEPAC, Ministério da Cultura (Portugal), CRIES (Roménia), Fekete Sereg (Hungria), RIPESS Europe (Luxemburgo), Solidarius (Italia) e UFISC (França). O projeto reconhece nas suas atividades e nos seus parceiros a importância cada vez maior da criação dos Terceiros Espaços Culturais, enquanto espaços intermediários que propõem um modelo que combina: cultura, trabalho, criatividade, entreajuda e inclusão social.

Isto não é mais um Podcast T2 – #3

Neste episódio recebemos o Luís Urbano e a Sofia Bénard para conversar sobre as oportunidades de financiamento que o Programa Europa Criativa, vertente MEDIA tem para oferecer ao sector cinematográfico e audiovisual europeu e sobre a sua experiência na utilização das linhas de financiamento do programa, em especial da linha de Desenvolvimento – Slate funding.
A Som e a Fúria foi criada em Setembro de 1998. Dedica-se em exclusivo à produção cinematográfica, procurando estabelecer um vínculo com o cinema de autor e independente. A qualidade das propostas cinematográficas, associadas ao desenvolvimento do universo singular dos seus autores, são as traves mestras desta Produtora. As suas longas-metragens conheceram estreias comerciais em vários países.

Isto não é mais um Podcast T2 – #2

Neste episódio, Carlos Ramos conta como o projeto de que é codiretor se candidatou com sucesso aos financiamentos europeus.
O IndieLisboa é um festival internacional de cinema que mostra essencialmente obras que se encontram fora do radar da regular circulação de filmes, moldada pela produção e exibição dominantes. Todos os anos, exibindo mais de 270 filmes, o IndieLisboa atrai público e profissionais de cinema de todo o mundo, dando-lhes a oportunidade de descobrir filmes recentes de talentos emergentes e redescobrir autores de renome.

Isto não é mais um Podcast T2 – #1

O programa Europa Criativa é o programa da União Europeia de apoio exclusivo aos setores culturais e criativos. Nesta conversa, Susana Costa Pereira fala sobre a vertente MEDIA, o instrumento da Comissão Europeia de apoio ao setor Audiovisual europeu (cinema, televisão, plataformas digitais, videojogos, conteúdo imersivo) que comporta um conjunto alargado de linhas de financiamento do apoia as indústrias cinematográfica e audiovisual europeias no desenvolvimento, distribuição e promoção de obras europeias, tendo em conta o atual ambiente digital, o desenvolvimento de audiências e de mercados, e ainda ações de networking.

Edição fonográfica de intérprete

Programa de apoio à criação musical que pretende impulsionar a gravação e produção de novas obras fonográficas, dinamizando o mercado editorial da música portuguesa, a diversidade das expressões musicais e o acesso e usufruto dos cidadãos à criatividade.