MAKE the MOST

makethemost_site.jpgO mundo dos financiamentos europeus é uma incógnita para muitos artistas em Portugal e apresenta-se algo complexo, em termos de linguagem e de procedimentos. Nomes como Portugal 2020, Europa Criativa, Erasmus +, Horizonte 2020 ou Programas Operacionais podem fazer parte do nosso dia-a-dia, mas não sabemos se podemos ser beneficiários e como devemos proceder.

Por essa razão, a Fundação GDA tem apoiado artistas e outros membros do setor que estão interessados em conhecer e desenvolver projetos com parcerias e financiamentos europeus. Em 2018, o projeto #makethemost representa um importante desenvolvimento.

O projeto #makethemost pretende proporcionar motivação, conhecimento e a capacidade de detetar oportunidades de financiamento para projetos artísticos e culturais. Através da realização de sessões informais ao final da tarde, em espaços privilegiados, é fomentado o diálogo e a troca de experiências. Ao facilitar o acesso à informação sobre gestão de projeto e financiamento europeu, a Fundação GDA tem a ambição de incentivar a internacionalização e o desenvolvimento de projetos que reflitam o enorme talento dos artistas portugueses.

A produção deste projeto está a cargo de A Reserva uma organização criada pela Mapa das Ideias para o desenvolvimento de projetos de natureza cultural que une o empreendedorismo, o ativismo social, a formação e a criatividade. Por seu turno, a Mapa das ideias possui uma experiência em formação para profissionais na área das artes e da cultura de grande relevância, nomeadamente através da promoção de ações de formação desenvolvidas e adaptadas a contextos específicos e a necessidades claramente identificadas no que respeita ao desenvolvimento de competências profissionais com características particulares e de grande mutação.

A moderação das sessões a realizar ao abrigo desta iniciativa está a cargo de Francisco Cipriano, que tem vindo a desempenhar o papel de consultor da Fundação GDA nesta matéria e cuja vida profissional está ligada aos instrumentos de apoio a políticas públicas, sobretudo no âmbito do desenvolvimento regional e da política de coesão, bem como de Joaquim Jorge, um dos fundadores de A Reserva e especialista na gestão de projetos Europeus.

A primeira sessão informal terá lugar no Polo Cultural das Gaivotas, no dia 2 de julho, das 18h00 às 21h00. Nesta sessão, vamos conhecer as experiências dos projetos Procurarte e Westway LAB Festival, pela voz dos seus criadores, discutir as especificidades de tornar europeu um processo criativo, com todas as fragilidades que conhecemos.

1.ª sessão #makethemost
Inscreva-se aqui!

2 de julho, das 18h00 às 21h00
Polo Cultural das Gaivotas | Boavista (sede)
Rua das Gaivotas, n.º 8, 1200-202, Lisboa
Página oficial do evento: clique aqui para aceder
Página oficial do #makethemost: clique aqui para aceder

Moderadores

Francisco Cipriano
franciscocipriano.jpgMestre em Geografia e Planeamento Regional e Local, Francisco Cipriano integra atualmente o Gabinete do Presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, onde é responsável por acompanhar as oportunidades de cofinanciamento por fundos comunitários e outras iniciativas e programas europeus, em estreita articulação com os serviços e as atividades da Fundação.
A sua vida profissional está ligada à Execução e Acompanhamento, Avaliação e Controlo de instrumentos de apoio às políticas públicas, sobretudo no âmbito do desenvolvimento regional e da política de coesão. A sua experiência profissionalmente tem vindo a criar ligações com a gestão e a implementação dos programas e projetos estruturais da União Europeia e dos Fundos Comunitários em Portugal.

Joaquim Jorge
joaquimjorge2.pngÉ um dos fundadores d' A Reserva e é especialista em gestão de projetos Europeus, licenciado em Antropologia e pós-graduado em Patrimónios e Identidades pelo ISCTE.
Trabalha há cerca de 20 anos como técnico da cultura, tendo-se especializado na gestão de projetos Europeus. Nesta área, tem trabalhado as diferentes dimensões: financiamento, sustentabilidade, gestão e qualidade dos projetos. É um dos profissionais Portugueses com mais experiência nesta matéria, assumindo funções de consultor formador e investigador. Também neste âmbito, tem usufruido de várias ações de formação especializadas em gestão de projeto e novos modelos de aprendizagem.
Foi comissário da Conferência Europeia The Crisis as a Challenge, organizada com a Mapa das Ideias, em maio de 2012, que juntou cerca de oitenta profissionais de toda a Europa numa maratona de 5 dias de seminários e workshops.
Foi avaliador do European Museum Mediators coordenado pela Mapa das Ideias, entre 2012 e 2014, que envolveu Portugal, Espanha, Dinamarca, Itália e Estónia num projeto conjunto de investigação e formação na área da Mediação Cultural. É autor de vários artigos e comunicações.

Participantes convidados

Nuno Saraiva
nuno.saraiva.jpgÉ o atual Presidente da AMAEI - Associação de Músicos Artistas e Editoras Independentes, sendo também Diretor Executivo da WHY Portugal, plataforma e organização para a internacionalização da música portuguesa. É Membro da Direção da IMPALA - European Music Companies Association e EMEE - European Music Exporters Exchange, da qual a WHY Portugal faz parte. Luso-Canadiano, obteve a sua licenciatura na Universidade de Toronto e pós-graduação na Universidade de Windsor, Canadá.
Em 2014, foi co-fundador do Westway LAB Festival, primeiro showcase festival e conferência profissional de música em Portugal, juntamente com Rui Torrinha. Por sua vez, o Westway LAB integra as redes europeias ETEP - European Talent Exchange Programme, e INES - Innovation Network of European Showcases. Atualmente a sua empresa, SCL Lda., opera nos ramos das edições musicais fonográficas e autorais, através da marca Lusitanian Music. Saraiva é ainda consultor nos ramos do music publishing e do desenvolvimento internacional nas indústrias criativas. É também Consultor Internacional da Altafonte Music Publishing.

Rui Torrinha
ruitorrinha.pngRui Torrinha é o programador artístico do Centro Cultural Vila Flor, equipamento gerido pel'A Oficina, sediado em Guimarães.
É diretor artístico dos festivais: GUIdance (dança contemporânea), Westway LAB (música), Gil Vicente (teatro) e Manta (música).
Acumula a responsabilidade de gestão direta dos projetos Europeus (INES, CircusNext), do trabalho em rede (ex: rede nacional 5 sentidos) e colaborações várias (ex: Bolsa Amélia Rey Colaço com o TNDMII).
É também o responsável pelo plano de apoio à criação através das coproduções e residências artísticas que se realizam no Centro de Criação de Candoso.
Foi programador da CEC2012 (Guimarães 2012, Capital Europeia da Cultura) para a área da música - projeto POLIFONIAS.