1.ª sessão #makethemost


2 de julho • 18H
Polo Cultural das Gaivotas | Boavista
Lisboa


 

O mundo dos financiamentos europeus é uma incógnita para muitos artistas em Portugal e apresenta-se algo complexo, em termos de linguagem e de procedimentos. Nomes como Portugal 2020, Europa Criativa, Erasmus +, Horizonte 2020 ou Programas Operacionais podem fazer parte do nosso dia-a-dia, mas não sabemos se podemos ser beneficiários e como devemos proceder.

Por essa razão, a Fundação GDA tem apoiado artistas e outros membros do setor que estão interessados em conhecer e desenvolver projetos com parcerias e financiamentos europeus. Em 2018, o projeto #makethemost representa um importante desenvolvimento.

O projeto #makethemost pretende proporcionar motivação, conhecimento e a capacidade de detetar oportunidades de financiamento para projetos artísticos e culturais. Através da realização de sessões informais ao final da tarde, em espaços privilegiados, é fomentado o diálogo e a troca de experiências.
Ao facilitar o acesso à informação sobre gestão de projeto e financiamento europeu, a Fundação GDA tem a ambição de incentivar a internacionalização e o desenvolvimento de projetos que reflitam o enorme talento dos artistas portugueses.

A produção deste projeto estará a cargo de, A RESERVA, uma organização criada pela Mapa das Ideias para o desenvolvimento de projetos de natureza cultural que une o empreendedorismo, o ativismo social, a formação e a criatividade. Por seu turno, a Mapa das ideias possui uma experiência em formação para profissionais na área das artes e da cultura de grande relevância, nomeadamente através da promoção de ações de formação desenvolvidas e adaptadas a contextos específicos e a necessidades claramente identificadas no que respeita ao desenvolvimento de competências profissionais com características particulares e de grande mutação.

A moderação das sessões a realizar ao abrigo desta iniciativa estará a cargo de Francisco Cipriano, que tem vindo a desempenhar o papel de consultor da Fundação GDA nesta matéria e cuja vida profissional está ligada aos instrumentos de apoio a políticas públicas, sobretudo no âmbito do desenvolvimento regional e da política de coesão, bem como de Joaquim Jorge, um dos fundadores de A Reserva e especialista na gestão de projetos Europeus.

Para a primeira sessão informal, vamos conhecer as experiências dos projetos Procurarte e Westway, pela voz dos seus criadores, discutir as especificidades de tornar europeu um processo criativo, com todas as fragilidades que conhecemos.

 

evento facebook
página facebook

 


INTERVENIENTES

Consulte as notas biográficas dos intervenientes, clicando no respetivo nome

 

Francisco Cipriano

Francisco Cipriano
moderador
consultor da Fundação GDA para os Fundos Europeus

Mestre em Geografia e Planeamento Regional e Local, Francisco Cipriano integra atualmente o Gabinete do Presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, onde é responsável por acompanhar as oportunidades de cofinanciamento por fundos comunitários e outras iniciativas e programas europeus, em estreita articulação com os serviços e as atividades da Fundação.
A sua vida profissional está ligada à Execução e Acompanhamento, Avaliação e Controlo de instrumentos de apoio às políticas públicas, sobretudo no âmbito do desenvolvimento regional e da política de coesão. A sua experiência profissionalmente tem vindo a criar ligações com a gestão e a implementação dos programas e projetos estruturais da União Europeia e dos Fundos Comunitários em Portugal.

 

 

 

Joaquim Jorge

Joaquim Jorge
É um dos fundadores d’ A Reserva e é especialista em gestão de projetos Europeus, licenciado em Antropologia e pós-graduado em Patrimónios e Identidades pelo ISCTE.
Trabalha há cerca de 20 anos como técnico da cultura, tendo-se especializado na gestão de projetos Europeus. Nesta área, tem trabalhado as diferentes dimensões: financiamento, sustentabilidade, gestão e qualidade dos projetos. É um dos profissionais Portugueses com mais experiência nesta matéria, assumindo funções de consultor formador e investigador. Também neste âmbito, tem usufruido de várias ações de formação especializadas em gestão de projeto e novos modelos de aprendizagem.
Foi comissário da Conferência Europeia The Crisis as a Challenge, organizada com a Mapa das Ideias, em maio de 2012, que juntou cerca de oitenta profissionais de toda a Europa numa maratona de 5 dias de seminários e workshops.
Foi avaliador do European Museum Mediators coordenado pela Mapa das Ideias, entre 2012 e 2014, que envolveu Portugal, Espanha, Dinamarca, Itália e Estónia num projeto conjunto de investigação e formação na área da Mediação Cultural. É autor de vários artigos e comunicações.

 

Nuno Saraiva

Nuno Saraiva
É o atual Presidente da AMAEI – Associação de Músicos Artistas e Editoras Independentes, sendo também Diretor Executivo da WHY Portugal, plataforma e organização para a internacionalização da música portuguesa. É Membro da Direção da IMPALA – European Music Companies Association e EMEE – European Music Exporters Exchange, da qual a WHY Portugal faz parte. Luso-Canadiano, obteve a sua licenciatura na Universidade de Toronto e pós-graduação na Universidade de Windsor, Canadá.
Em 2014, foi co-fundador do Westway LAB Festival, primeiro showcase festival e conferência profissional de música em Portugal, juntamente com Rui Torrinha. Por sua vez, o Westway LAB integra as redes europeias ETEP – European Talent Exchange Programme, e INES – Innovation Network of European Showcases. Atualmente a sua empresa, SCL Lda., opera nos ramos das edições musicais fonográficas e autorais, através da marca Lusitanian Music. Saraiva é ainda consultor nos ramos do music publishing e do desenvolvimento internacional nas indústrias criativas. É também Consultor Internacional da Altafonte Music Publishing.

 

Rui Torrinha

Rui Torrinha
Rui Torrinha é o programador artístico do Centro Cultural Vila Flor, equipamento gerido pel’A Oficina, sediado em Guimarães.
É diretor artístico dos festivais: GUIdance (dança contemporânea), Westway LAB (música), Gil Vicente (teatro) e Manta (música).
Acumula a responsabilidade de gestão direta dos projetos Europeus (INES, CircusNext), do trabalho em rede (ex: rede nacional 5 sentidos) e colaborações várias (ex: Bolsa Amélia Rey Colaço com o TNDMII).
É também o responsável pelo plano de apoio à criação através das coproduções e residências artísticas que se realizam no Centro de Criação de Candoso.
Foi programador da CEC2012 (Guimarães 2012, Capital Europeia da Cultura) para a área da música – projeto POLIFONIAS.

 

 

 

 

Francisco Salgado

Francisco Salgado
Fundador e membro da direcção da associação cultural Procur.arte.

Na associação Procur.arte, produziu todos os espetáculos de teatro que criou e é responsável, desde 2015, a direção dos projectos, no âmbito do apoio da Europa Criativa, “Flâneur” e “PARALLEL”.
Em 2012 obteve o Título de Especialista, em Teatro/encenação, no Instituto Politécnico de Lisboa.
Em 2010 fez a Pós graduação em Teatro no Doutoramento em Artes Cénicas, da Universidade Autónoma/Institut del Teatre, em Barcelona. Em 2000 completou a Licenciatura  em Ator/Encenador, onde já tinha em 1994 completado o Bacharelato, curso de Teatro, Formação de Actores, na Escola Superior de Teatro e Cinema.
Fez formação complementar com Peter Michael Dietz, João Fiadeiro, Thomas Richard.
Em 1995/1996, foi bolseiro pelo Centro Nacional de Cultura, em Nova York, no Lee Strasberg Theater Institute.
É, desde 2001 professor adjunto da cadeira de Interpretação na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa.
É encenador e criador de espetáculos, como: “Olga”, “A Estufa”, “Blindwalks” , “Irina”, “Masha”, “Medeia”, “Fausto”, “A Montra”, “Noites Brancas”, “Cerejal”, “uma noite de verão” ou “Ricardo III”.