Colher para Semear

 

SINOPSE

Colher para Semear: 25 anos de GDA, 10 anos de Fundação GDA de Cláudia Galhós

“Imaginem que era possível digitalizar batatas, roupas ou automóveis, partilhá-los na rede, rematerializá-los calmamente em nossas casas e multiplicá-los? O que aconteceria às cadeias de valor, aos circuitos de distribuição, às relações laborais: não teria tudo de ser reequacionado? Seria possível manter os modelos de negócio na mesma?”

A sugestão foi feita por Pedro Wallenstein numa entrevista, em 2017, em período de debate aceso sobre a cobrança dos direitos digitais. O tema é actual, mas a sua origem é antiga – essa tensão constante entre capital e trabalho, explorador e explorado, que também tem tido a sua presença na indústria cultural. Pedro contextualiza: “Durante mais de duzentos anos, o edifício foi construído sobre a transação de um objecto material (o livro, a partitura, o disco ou o DVD) contendo a obra artística ou literária, mas muita outra coisa mudou com a digitalização dos bens culturais. Quanto à necessidade de remunerar o trabalho, seja ele manual ou intelectual, não esteve sempre presente?”

O que acontece nesta radical mudança de paradigma, é que os processos de produção se invertem. A imagem é proposta por Pedro Wallenstein e é emblemática do que aqui está em causa: Colher para Semear. Ou seja, há toda uma produção, neste caso artística, cujas mais-valias [direitos conexos] importa “colher” para redistribuir num sentido alargado do termo, por via da GDA por aqueles que geraram esses direitos [artistas, intérpretes e executantes] e por via da Fundação GDA por aqueles que representam o universo mais alargado da criação artística e merecem ter acesso a financiamento para desenvolver o seu trabalho que pode ainda não ter alcançado uma viabilidade e autonomia financeira, ou cuja natureza da actividade artística não é viável no mercado e tem uma outra mais-valia, não quantificável.

É esta visão mais ampla de redistribuição que fundamenta essa metáfora do “semear”.


INFORMAÇÃO

Os potenciais interessados, em especial cooperadores da GDA e agentes culturais, poderão solicitar à Fundação GDA a entrega de um exemplar da obra, mediante o envio de um e-mail (nome, morada, área profissional e número de cooperador) para dptcomunicacao@fundacaogda.pt. Os pedidos serão atendidos em função das disponibilidades existentes.

A versão digital do livro Colher para Semear também se encontra disponível para consulta.

(Faça aqui download do ficheiro)